quinta-feira, 24 de junho de 2010

Coluna de Fotografia

Gerhard Waller é veterinário de formação e fotógrafo amador e coloborador da coluna de fotografia do Scrapfriendscuritiba. Para conhecer mais sobre seu trabalho, visite seu Flickr: http://www.flickr.com/photos/gwaller/show/


Fotógrafos - Dorothea Lange

Na coluna de hoje, falaremos um pouco sobre a fotógrafa Dorothea Lange, uma das primeiras fotógrafas da história e que teve grande importância na documentação fotográfica da vida das classes menos favorecidas dos EUA. 

“Não tocar! Não perturbo o que fotografo, não me intrometo e não faço arranjos.”

Esse era um dos princípios da fotógrafa norte-americana Dorothea Lange, cujo trabalho proporcionou um dos documentarios sociais de fotografia de maior compromisso do século XX.
Dorothea Lange (26/05/1895 – 11/10/1965) foi uma influente fotógrafo documental e fotojornalista americana. Lange é melhor conhecida pelo seu trabalho para a FSA – Farm Security Administration (Administração de Segurança da Fazenda) sobre a época da depressão. As fotografias de Lange humanizaram as consequências trágicas da Grande Depressão e influenciaram profundamente o desenvolvimento de fotografia documental.
Lange nasceu em Hoboken, New Jersey em 26 de maio de 1895 com o nome de batismo Dorothea Margarette Nutzhorn. Descontente com o próprio nome, ela eliminou o seu nome do meio e trocou seu sobrenome por Lange, que era o sobrenome de solteira de sua mãe. Em 1902, aos 7 anos de idade, Lange contraiu Poliomielite. Vítima da doença em uma época que não havia tratamento, ela teve como sequela a sua perna direita debilitada. Embora ela tenha compensado bem sua inaptidão, ela sempre mancou, e acreditava que sua inaptidão era a influência mais importante em seu carater.


 
Dorothea Lange, 1895 - 1965

Lange aprendeu fotografia na cidade de New York em aula ministrada por Clarence H. White e informalmente estagiou para vários estúdios de fotografia de New York, incluindo o de Arnold Genthe. Em 1918, ela se mudou para San Francisco onde ela abriu um estúdio de retrato extremamente próspero. Ela morou na baía em Berkeley pelo resto de sua vida. Lange casou com o notável pintor Maynard Dixon, com quem ela teve dois filhos, Daniel Dixon, nascido em 1925, e John Dixon, nascido em 1928. Com o começo da Grande Depressão, Lange virou a lente de sua câmera fotográfica de seu estúdio para a rua.
Os estudos de Lange sobre os desempregados e os sem-teto chamaram imediatamente a atenção de fotógrafos locais e conduziram ao emprego dela na RA - Resettlement Administration (Administração de Restabelecimento) federal, que depois veio a se chamar FSA - Farm Security Administration (Administração de Segurança da Fazenda).

Fila do Pão em White Angel, 1933

Em 1935 ela se divorciou de Dixon e se casou com o economista agrícola progressista Paul Schuster Taylor, Professor de Economias na Universidade de Califórnia, Berkeley. Taylor foi responsável pela educação de Lange em assuntos social e políticos, e eles trabalharam juntos documentando a pobreza rural e a exploração de arrendatários e trabalhadores imigrantes durante os próximos cinco anos - Taylor entrevistando e colhendo dados econômicos, e Lange tirando as fotografias.
De 1935 a 1939, o trabalho de Lange para o RA e FSA trouxe para a atenção do público a difícil situação dos pobres e esquecidos, particularmente dos arrendatários, famílias fazendeiras deslocadas, e os trabalhadores imigrantes. Distribuído grátis a jornais pelo país, as imagens pungentes dela se tornaram ícones da era da depressão americana.
Sua fotografia mais famosa é titulada “Mãe Migrante". A mulher na fotografia é Florence Owens Thompson, mas Lange aparentemente nunca soube o nome dela.

Mãe Migrante

Em 1960, Lange falou sobre a sua experiência ao tirar a fotografia:

“ Eu vi e me aproximei da mãe faminta e desesperada, como se puxada por um ímã. Eu não me lembro como eu expliquei minha presença ou minha máquina fotográfica a ela, mas eu me lembro ela não me fez nenhuma pergunta. Eu fiz cinco exposições, trabalhando cada vez mais próxima na mesma direção. Eu não perguntei o nome dela ou a história dela. Ela me contou a idade dela, que ela tinha trinta e dois anos. Ela disse que eles tinham estado se mantendo com legumes congelados dos campos vizinhos, e pássaros que as crianças matavam. Ela tinha vendido há pouco os pneus de seu carro para comprar comida. Lá ela sentou dentro de uma tenda com suas crianças se acomodando ao redor dela, e parecia saber que meus quadros poderiam a ajudar, e assim ela me ajudou. Havia um tipo de igualdade sobre isto.”

Parece que Lange se enganou sobre alguns detalhes dessa história (como o filho de Thompson depois explicou, veja Dunne, Geoffrey. "Photographic License", New Times, 2002.), mas o impacto da fotografia estava baseado na imagem e não nas suas particularidades. Ela representa a força e necessidade de trabalhadores imigrantes da época.
Em 1941, Lange foi premiado com um Guggenheim Fellowship por excelência em fotografia. Depois do ataque em Pearl Harbor, ela desistiu do prestigioso prêmio para registrar a evacuação forçada de nipo-americanos (nissei) para acampamentos de recolocação no oeste americano, em tarefa para a WRA - War Relocation Authority (Autoridade de Recolocação de Guerra). Ela cobriu a retirada de nipo-americanos, sua evacuação para os centros temporários e para Manzanar, o primeiro dos acampamentos de internação permanentes. A sua fotografia de jovens meninas nipo-americanas que empenham submissão à bandeira logo antes delas serem enviada para acampamentos de internação é uma lembrança assombrosa desta política de deter as pessoas sem acusação por qualquer crime.

Recolocação dos nipo-americanos - 1942

As imagens dela eram tão obviamente críticas que o Exército as confiscou. Hoje aproximadamente 800 fotografias dela sobre internação estão disponíveis nos Arquivos Nacionais. Estas fotografias estão disponíveis no website da Still Photographs Division of the National Archives (Divisão de Fotografias Imóveis dos Arquivos Nacional), e há um jogo duplicado de impressões na Biblioteca de Bancroft da Universidade de Califórnia, Berkeley.

Uma Nação Indivisível - 1942
    
Em 1952 Lange foi uma das fundadoras da distinta revista fotográfica Aperture.
Nas últimas duas décadas da vida de Lange, sua saúde era precária. Ela sofreu de úlceras hemorrágica e de síndrome de pós-polio - embora esta renovação da dor e fraqueza de pólio ainda não foi reconhecida pela maioria dos médicos. Ela morreu no dia 11 de outubro de 1965, aos 70 anos, em San Francisco. Lange deixou seu segundo marido, Paul Taylor, dois filhos, quatro enteados, e numerosos netos e bisnetos.

REFERÊNCIAS:
TASCHEN – Fotografia do Século XX, 2005, TASCHEN Gmbh
http://xroads.virginia.edu/~ug97/fsa/farm.html
http://en.wikipedia.org/wiki/Farm_Security_Administration
http://en.wikipedia.org/wiki/Dorothea_Lange



14 comentários:

SIBELE disse...

Puxa! Que história interessante! Não tinha ouvido falar dessa fotógrafa!
Ela faz parecer que fotografias falam mais que palavras!
Parabéns pela matéria, Gerhard!

marcia disse...

Gerhard! história mais linda dessa fotógrafa corajosa. Retratos que contam a realidade de uma época. Parabéns pelo relato! pena que seja uma vez por mês. Adoro esse assunto!
um abraço!!

Lu Zischler disse...

Belíssimas fotos e bela história! Saber um pouco mais sobre a história da fotografia enriquece bastante nosso hobby!
Obrigada,

Gisele Alves disse...

Que história linda dessa fotógrafa!
E belas fotos!

Fabi Ormerod disse...

Artigo bem interessante, também não a conhecia. Obrigada por partilhar conosco Gerhard :)

Cris Cotts disse...

Muito legal Gerhard!!!! Bela história!

Maya disse...

Adorei a matéria Gerhard!
Eu conheço a foto da mãe migrante, mas não sabia de quem era. É realmente linda!
Gosto dessa maneira de encarar a fotografia, retratar aquilo que vemos sem interferir com a cena.

Karine Morais Balabuch disse...

Muito boa a matéria!!!!
Adorei!!!!

Eli disse...

Que delícia ler o que vc tem para contar Gerhard. Vc tem sempre algum assunto interessante para nossa coluna, muito obrigada !
Eli

PATRÍCIA RIOS disse...

Obrigada por compartilhar conosco essa historia belissíma!!!
Adorei!!!

Aninha disse...

Adorei ler tudinho e a foto do Gerhard com o Klaus esta linda...
obrigada
bjs

cinthia disse...

Adorei, Gerhard!
Não conhecia esta história, foi muito bom saber sobre esta fotógrafa!
Bjos

Leticia disse...

Achei o artigo maravilhoso!
lindas e emocionantes essas fotos.
Obrigada Gerhard.

Rosana Riella Pedrão disse...

Gerhard,
obriga por esta linda lição!
Bjs